9 de dez de 2007

Saturno

Acendo um cigarro e vejo o dia passar.
Tanto tempo tenho, que me falta tempo para ser quem sou.
Preparo de pijamas meu café, falta-me tanta coisa.
São tantas as coisas que não vivi, me lembro da viagem que não fiz, das coisas que não te disse, volto para entro de mim. Quem sou mesmo?
Bobagem, sei quem sou, sei quem fui, será que não sou mais eu mesma?
Estou sempre apressada, calada.
As vezes me sinto quase que encarcerada. Minha prisão de pensamentos vagos.
Meu eu enfrenta o espelho de cabelos emaranhados, de vista cansada.
Era bela, passarela, novela, Cinderela...
Era ela, era eu!
Riso, choro, sinfonia, elementos...
Hoje pedra que não rola.
Sei quem sou, não sei quem estou! O tempo em meu relógio anda mais devagar.
Acendo outro cigarro e vejo a noite passar, sou espectador do universo.
Sou saturno, isolada no espaço e com apenas um anel !