9 de dez de 2010

Quase te contei

Pensei em te dizer, dizer com poucas palavras;
Hoje pela manhã quase disse, que te ver assim tão informal,
De cara suja pela manhã, é o melhor do meu dia. Quase disse...


De cara amassada, roupas rasgadas, pele suada...
Quase disse...

Quase disse que te abraço toda noite,
Que te vejo bocejar, sonejar.
Teus olhos piscando, não sei o que pensa ao acordar
Será que era aqui que queria estar?

Quase disse que era assim,
Assim que queria te ver, na hora em que despertar.
Que tua voz rouca pela manhã me faz recordar,
De tudo que já me disse, do que ficou por dizer

Quase disse, quase...

Minha boca não se abriu e não pude te contar
que ontem lembrando tanta coisa,
riso, choro, canções,
anoiteceu... e foi de frente ao espelho de cabelos emaranhados, expressão cansada...

Quase te acordei, quase.

Pra dizer que nos vermos assim, pela manhã, de cara suja
É tudo que poderia querer.
Eu quase que te disse.

7 de dez de 2010

O que penso


As vezes penso, só as vezes, se isto é mesmo tudo.
Se tudo passa, então que resta ?
Que resta do tudo que foi? Torna-se nada? apenas por ter se esvaído...

Então diga o que torna tudo tão importante.
Talvez o destino de tornar-se apenas algo entre tantas coisas?

Mais agora, agora já não sei mais,
Pois se com o passar do tempo tudo torna-se nada; então como nada pode ser algo sem importância?

Qual a definição de nada?
Pois se com tudo torna-se o que é...

És algo maior que nada.
Ainda que sejas uma coisa pequenina.

És algo, e precisa de definição
Assim como tudo precisa ser definido

Mais quem define o que é o que ?
E o que se tornaria se não fosse o que é?

Confundi-me, não me lembro de tudo que disse,
Sou assim me distraio com facilidade
Esqueço tudo que disse 

Mania que tenho de pequenininha de ficar pensando em tudo
Ao fim , nunca chego a conclusão de nada.